Skip to content

Problemas de comunicação interna interferem na produtividade

03/12/2008

 

De acordo com os resultados do 8º Relatório Anual de Produtividade Proudfoot, as empresas brasileiras poderiam obter maiores ganhos em produtividade do que companhias de outros países, mas enfrentam vários entraves, como problemas de comunicação interna. Os gestores brasileiros acreditam que suas empresas poderiam aumentar sua produtividade em 17,7% nos próximos dois anos, 4 pontos acima da média global e o nível mais alto relatado na pesquisa, que incluiu 1272 executivos de 12 países (Austrália, Canadá, Brasil, Rússia, Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Alemanha, Índia, África do Sul e Espanha). Confirmando o otimismo dos executivos brasileiros, a pesquisa apontou que os gestores acreditam que suas empresas chegarão a atingir 85% destes ganhos potenciais de produtividade.

Este otimismo poderia, contudo, mascarar a realidade, pois os trabalhadores brasileiros se mostram menos produtivos do que nos últimos anos. Uma análise realizada pela Proudfoot revelou que o tempo que os trabalhadores brasileiros gastam com atividades improdutivas subiu para 39,8% da semana de trabalho em 2007, o que equivale a dois dias inteiros de improdutividade semanais. Esta é uma alta de 8 pontos em relação aos índices de 2006. Apesar do aumento do tempo improdutivo dos funcionários, 94% dos gestores brasileiros pesquisados avaliam que a produtividade de sua empresa está acima da média, os maiores índices de qualquer país listado na pesquisa.

Os gestores no Brasil e nas outras economias do BRIC se mostram mais otimistas sobre a capacidade de suas empresas obterem ganhos potenciais de produtividade do que os outros países em economias mais maduras. “Houve um aumento de produtividade significativo nas empresas em todo o mundo nos últimos anos,” afirmou Luiz Carvalho, CEO da Proudfoot, sediada em Atlanta. “Entretanto, o aspecto de maior destaque foi o desempenho de empresas nos mercados emergentes, inclusive o Brasil.”

“O Brasil está tendo uma oportunidade excepcional,” observou Carvalho. “Se as empresas brasileiras conseguirem atingir estes ganhos potenciais de produtividade, haverá oportunidades extraordinárias para elas no Brasil, na América Latina e no mercado global. O fator decisivo para ter acesso a estas oportunidades é solucionar e superar as barreiras críticas para o aumento da produtividade.”

Os gestores entrevistados em vários países citaram problemas com a mão-de-obra disponível e a falta de trabalhadores qualificados como o principal entrave a uma maior produtividade, seguidos por problemas de comunicação interna, barreiras legislativas e regulatórias, baixa moral dos funcionários, alta rotatividade de pessoal e qualidade dos supervisores.

Por outro lado, os gestores brasileiros citaram os problemas de comunicação interna como sendo a principal barreira para obter maior produtividade no mercado. Esta barreira foi mencionada por 47% dos gestores brasileiros, quase o dobro da média global.

“Quando analisamos os problemas de comunicação interna no Brasil, descobrimos que o ponto central do problema está na comunicação de cima pra baixo e na comunicação entre departamentos,” explicou Carvalho. “30% dos gestores brasileiros afirmaram ter dificuldades para se comunicar entre departamentos, o terceiro maior nível de qualquer país pesquisado, e o maior entre os países do BRIC. Da mesma forma, o Brasil se classificou em segundo lugar nos países pesquisados em relação a problemas com comunicação de cima para baixo.”

 

interferência nos resultados

Comunicação Interna: interferência nos resultados

 

A baixa moral dos funcionários e da motivação foi a segunda principal barreira aos ganhos de produtividade citada pelos gestores brasileiros. A seguir vieram os problemas com as tecnologias de informação e de comunicação, a falta de vontade da gestão sênior em implementar programas de mudança, e a falta de alinhamento entre o desempenho do funcionário e métricas de bônus e objetivos corporativos. “É essencial que as empresas alinhem corretamente suas métricas de desempenho e planos de incentivo aos objetivos corporativos,” explicou João Currito, presidente da unidade brasileira da Proudfoot. “Se as métricas e programas de incentivo estiverem mal alinhados, você incentiva funcionários e gestores a se dedicar a atividades que vão à direção oposta de seus objetivos de negócio. Isso é contraproducente, e prejudica a capacidade da empresa de aprimorar sua produtividade em áreas-chave.”

O estudo também revelou que os gestores brasileiros passam quase metade de seu tempo (49,5%) envolvidos em atividades administrativas, 7 pontos acima da norma global e o segundo maior índice entre os países pesquisados (a China ficou em primeiro lugar, com 50,5%). Em outras palavras, os gestores brasileiros passam quase 2,5 dias por semana envolvidos com tarefas administrativas. Quando indagados como prefeririam distribuir seu tempo, os gestores brasileiros sugeriram alocar 36,6% de seu tempo com tarefas administrativas.

A diferença de 13 pontos entre o índice atual e o ideal pode ser uma das principais soluções para aumentar a produtividade do funcionário. “Nossa análise apontou uma correlação entre a maneira que os gestores alocam seu tempo e a produtividade do funcionário,” explicou Carvalho. “Se houver um aumento de 10 pontos no tempo que um gestor passa em supervisão ativa dos funcionários, ocorre um aumento de 2 pontos no tempo produtivo do trabalhador. No Brasil, esta diferença de 13 pontos poderia ser traduzida em um aumento de 2,6% em produtividade de funcionários.” Os gestores no mundo inteiro passam apenas 7% de seu tempo supervisionando ativamente seus funcionários.

 

A matéria de Pollyanna Melo para o Portal Administradores demonstra claramente a necessidade de profissionais de relações públicas para gerenciamento da comunicação interna. As pesquisas apontam que a falta de uma comunicação eficaz interfere diretamente na produtividade e conseqüentemente no lucro das organizações.

 

É importante ressaltar também que a comunicação deve ser estratégica, abarcando todos os níveis hierárquicos, e principalmente estar ligada diretamente a alta direção, pois somente assim, com a validação de quem comanda a empresa, as ações terão o impacto pretendido.

 

Diante desta matéria, alguém ainda duvida da importância das RPs para o sucesso de qualquer organização?

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. gilceana permalink
    16/10/2009 21:36

    Olá, Ricardo!

    Excelente seu blog. Estou sempre visitando-o!
    Interessei-me muito pelo artigo da Pollyanna Melo, sobre comunicação interna e relações públicas, que vc cita como sendo do portal dos administradores. Procurei no portal e não encontrei. Vc tem esse artigo para me enviar?
    Muito obrigada. Abraços errepeanos!

    Gilceana Galerani

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: