Skip to content

Entidade de educação critica divulgação do IGC

21/09/2008

 

No último dia 8 de setembro, o Ministério da Educação divulgou dados parciais do processo de avaliação das Instituições de Educação Superior do País. Desta vez, tornou público dados do chamado Índice Geral dos Cursos da Instituição (IGC), construído com base em uma média ponderada entre as notas obtidas no processo de avaliação de desempenho dos estudantes, dividido pelo número de alunos da graduação. No caso de universidades fez parte também deste índice a avaliação da CAPES de cada programa de pós-graduação (stricto sensu), dividido pelo número de estudantes matriculados nos respectivos programas.

As notas do IGC vão de zero a 500 e, como resultado, enquadram as instituições em faixas de 1 (as piores, com nota de 0 a 94) a 5 (as melhores, com nota 395 a 500). Ao todo, 173 universidades, 131 centros universitários e 1.144 faculdades isoladas, integradas e outros tiveram seu IGC divulgado. As instituições consideradas ruins são as que ficaram nas faixas 1 e 2.

IGC avaliou universidades, centro universitários e faculdades

IGC avaliou universidades, centro universitários e faculdades

O respectivo Índice  deveria servir apenas como mais um indicador a contribuir com o processo completo de avaliação, que inclui as chamadas visitas in loco, que graças à deliberação da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior – CONAES deve ser iniciada ainda em 2008.

As visitas são importantíssimas para a avaliação das instituições e deverão levar em conta os relatórios internos produzidos pela as CPAs (Comissões Próprias de Avaliação), a análise do PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional) e sua relação com as reais condições da instituição. Além disso, o instrumento de avaliação de instituições, construído para CONAES, contém muitos outros indicadores importantes para avaliar as IES brasileiras.Entre eles, por exemplo, a avaliação da responsabilidade social de cada instituição.

Fica claro então que o IGC é apenas parte de um processo avaliativo muito maior que pretende verificar a qualidades das instituições de ensino, um dado importante, mas que não deve ser avaliado de forma individual para mensurar a qualidade das IES, como tem feito a imprensa e principalmente as instituições que estão no topo da lista.

 

Diante destes equívocos é que a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – Contee lançou manifesto pela divulgação antecipada dos dados do IGC, a fim de reafirmar a convicção de que todas as etapas do processo avaliativo são indispensáveis para um diagnóstico concreto e conclusivo sobre a qualidade das instituições de educação superior no Brasil.

 

A Contee manifestou sua discordância em relação à divulgação parcial destas informações para a imprensa, que, a partir de qualquer dado, buscou estabelecer rankings entre as instituições de ensino. Tal ação pode, portanto, acabar por deturpar a interpretação dos resultados reais, consistentes e definitivos do processo completo de avaliação da educação superior brasileira.

Para Madalena Guasco Peixoto, coordenadora geral da Contee, com a divulgação do IGC “o MEC colaborou de forma indireta com a falsa conclusão adotada por parte da imprensa de que já ocorreu uma avaliação de instituições, uma vez que esta etapa é bem mais complexa do que avaliar apenas as questões restritas ao ensino. Apesar de ser fundamental às condições de ensino, não deve e não pode ser o único indicador de qualidade de uma instituição”. Para a dirigente, a iniciativa também desmotiva as Comissões de Avaliação Interna, que realizam trabalho fundamental, mas vêem publicamente que a divulgação dos resultados não levou em conta o seu trabalho.

Resultados do IGC utilizados como rankings pela imprensa e pelas IES

Resultados do IGC utilizados como rankings pela imprensa e pelas IES

“O mais complicado desta forma de divulgação é que ela acaba por simplificar a avaliação, desprestigiando os outros indicadores que são tão importantes quanto à qualidade do ensino. Com isso, corre-se o risco de alçar ao topo deste ranking fictício instituições muito bem montadas, com condições de ensino estruturadas, mas que não possuem, por exemplo, responsabilidade social, democracia interna, participação da comunidade nas decisões acadêmicas, plano de carreira de seus professores ou boas condições de trabalho para docentes e técnicos e administrativos”, destaca Madalena.  

Manifestando sua preocupação com estas questões, a diretoria executiva de Contee decidiu preparar e enviar uma nota oficial ao MEC, dirigida ao Ministro Fernando Haddad, expressando a sua preocupação com a divulgação do IGC sem que estivesse concluído todo o processo de avaliação institucional.

 

As áreas de comunicação das instituições de ensino superior não perderam tempo e divulgaram os seus resultados nas páginas dos principais jornais do país declarando-se as melhores na avaliação do Mec. Com a conclusão de todas as fases do relatório o discurso poderá vir por água abaixo, mas até lá as IES vão continuam aproveitando a divulgação do IGC para seduzirem e captarem mais alunos.

 

Com informações do site da Cotee

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: