Skip to content

As redes sociais tornam-se um fenômeno planetário

04/09/2008

 

Uma pesquisa feita pela empresa sueca Pingdom e analisada pelo especialista francês Francis Pisani no seu blog Transnets constata que o fenômeno da expansão das redes sociais online já alcança os países como Angola e Etiópia (na África), e Mianmar, no sudeste da Ásia.

A acelerada globalização das redes sociais — e principalmente a sua extrema diversificação — desafiam a capacidade analítica dos especialistas em Web, que até agora viam o fenômeno como uma típica manifestação de jovens afluentes da classe média de países europeus e dos Estados Unidos.

Um mundo de relações

Um mundo de relações

A pesquisa sueca, baseada em dados de acesso fornecidos pelo mecanismo de buscas Google, indicam, por exemplo, que o site Orkut, no qual os brasileiros são a esmagadora maioria, também é altamente popular no Paraguai, Paquistão, Portugal e Índia.

Já o MySpace, o maior de todos, tem a base de seu público nos Estados Unidos, mas é o mais acessado também em países como Porto Rico e Malásia. Outro caso curioso, o site Hi5 registra a sua maior concentração de usuários no Peru, El Salvador e Costa Rica, enquanto o site Last.fm, comunidade especializada em música, é o preferido por finlandeses, croatas, tchecos e noruegueses.

A comunidade dos usuários do Twitter (blog instantâneo) é esmagadoramente asiática, com forte predominância de japoneses e chineses, que superam por larga margem os norte-americanos neste tipo de site voltado para a troca de mensagens de até 150 caracteres.

Chama a atenção o fato de que nenhum dos 12 sites sociais monitorados pela empresa Pingdom tem uma distribuição global uniforme. Há uma tendência à localização e agrupação segundo preferências que provavelmente têm a ver com valores e culturas semelhantes.

Outro fato notável é que o acesso às comunidades online não é uma exclusividade dos países mais ricos, já que há numerosos exemplos de nações onde a exclusão digital é alta e que, apesar disso, registram elevados índices de interatividade online. O Quênia, Etiópia e Angola, por exemplo, têm um alto índice de usuários do Hi5.

 

Por Carlos Castilho, para o Observatório da Imprensa

(Envolverde/Observatório da Imprensa)

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: